| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • Whenever you search in PBworks, Dokkio Sidebar (from the makers of PBworks) will run the same search in your Drive, Dropbox, OneDrive, Gmail, and Slack. Now you can find what you're looking for wherever it lives. Try Dokkio Sidebar for free.

View
 

Informatica-hoje

Page history last edited by Marcia Cardoso 13 years, 9 months ago

 

 

Informática Hoje

 

1988

 

 

Unix: qual o melhor caminho para o Brasil? Informática Hoje. Ano 4. No 166. 17 de outubro de 1988.

( a proposta da SEI é a adoção de um padrão internacional como o da OSF – ao qual até a AT&T estaria disposta a aderir.)

 

  • o Brasil deveria se alinhar aos movimentos internacionais que estão em busca de um padrão independente de sistema operacional multiusuário do tipo Unix, e não adotar, como padrão para o país, um determinado produto, propriedade de um fabricante – seja ele nacional o estrangeiro. Esta é , em síntese, a idéia de um documento que está sendo elaborado pela SEI.

  • O subsecretário industrial da SEI, Américo Rodrigues, informa que o documento está quase pronto e espera que ele possa se tornar público ainda este ano.

  • A OSF é um bom exemplo, segundo Rodrigues, porque a ela estão associadas as maiores empresas do setor de informática, como IBM, Digital, Nixdorf, Siemens, Bull , Toshiba. “Se o mundo está buscando o caminho da integração, por que nós iríamos no sentido contrário?”

  • A idéia quer está prevalecendo, segundo Américo Rodrigues, é provocar, em relação ao Unix, um movimento semelhante ao que foi feito na área de redes, em que um grupo de usuários – empresas estatais 0 relacionou uma série de especificações a serem adotadas.

  • “A intenção do governo, ao incentivar esse movimento, foi evitar que se estabelecesse no mercado uma babel de redes, sejam elas nacionais ou estrangeiras.

  • Na área do Unix, a babel já está começando a se formar no Brasil. Rodrigues observa que já existem vários Unix-like como o SOX da Cobra, o Edix da Edisa, o Digix da Digirede, o Plurix da Universidade Federal do Rio de Janeiro, entre outros, sem contar com o pedido da SID de licenciar o próprio Unix da AT&T.

 

 

A AT&T não entra na OSF. E forma um outro grupo. Informática Hoje. Ano 4. No 167. 24 de outubro de 1988.

( a busca de um padrão aberto de sistema operacional fica ainda mais difícil)

 

  • As esperanças de que a AT&T decidisse juntar-se ao grupo de empresas liderado pela IBM e pela DEC, na Open Software Foundation, desmoronaram na semana passada: na terça-feira , 18, alguns dos maiores fabricantes de computadores e produtores de software do mundo anunciaram a criação de outra entidade ..., cujo objetivo principal será a adoção do sistema Unix V versão 4.0 da AT&T, como padrão para seus futuros produtos.

  • Para o Brasil, a criação da nova associação adiciona mais uma dose de confusão na luta pela adoção de um padrão internacional: um documento que está sendo preparado pela SEI sugere que o país parta para um sistema operacional-padrão que não seja propriedade de um só fabricante.

 

 

Na briga entre a OSF e a AT&T, o Brasil aposta no empate. Informática Hoje. Ano 4. No 168. 31 de outubro de 1988.

( a SEI e empresas nacionais esperam que os dois grupos reúnam suas forças e cheguem a um só padrão, aceito mundialmente.)

 

  • Não se deve estabelecer um padrão em cima de um produto de uma empresa. Principalmente quando se está falando de padrão de sistemas operacionais abertos. É a partir dessas premissas que as pessoas, no Brasil, interessadas em que o país caminhe para a adoção de um padrão internacional, estão acompanhando a queda-de-braço entre os dois grupos formados pelos gigantes da indústria mundial – a Open Software Foundation e o grupo da AT&T – que tem o Unix como pano de fundo.

  • Para o subsecretário industrial da SEI, Américo Rodrigues, “nós teremos que caminhar para um padrão nacional compatível a nível internacional. Se os dois grupos permanecerem, nós teremos que ir atrás de um deles – e é melhor escolher o mais forte”. E, na sua opinião, o mais forte em termos de mercado é a OSF.

  • Américo Rodrigues faz questão de esclarecer que nem a movimentação internacional nem o trabalho que deve ser feito no país em busca de um padrão têm qualquer relação com o exame de similaridade a que está sendo submetido o Sidix, da SID (implementado sobre o código do Unix, licenciado da AT&T).

  • Qualquer que seja o resultado do embate entre os dois grupos internacionais, Moysés Pluciennik, que foi o responsável pelo desenvolvimento do Sidix, está convencido de que o Unix sairá vencedor. Ele lembra que o AIX, da IBM – que até agora tem sido a bandeira da OSF – é uma versão do Unix V2.0 e paga royalties à AT&T. E argumenta que a própria OSF tem todo o interesse em ganhar a adesão da AT&T, para não brigar com o padrão de fato, que é o Unix.

  • Ele acha fantástica a tentativa de unificação mundial em torno de um padrão e aplaude a proposta da SEI de incentivar esse caminho para o Brasil - “é a coisa mais sensata que já ouvi nos últimos tempos”.

  • O diretor de desenvolvimento da Cobra, Manoel Lage, também não têm dúvidas de que os dois grupos vão se unir: “ o que vai aglutinar essas forças será a pressão dos usuários e das software houses. SE a confusão persistir, eles vão se sentir desestimulados a investir”. Quanto ao Brasil, Lage espera que o movimento a ser estimulado pela SEI - “embora tardio” - possa conduzir para uma política nacional para sistemas abertos. E retoma a sugestão de que o SOX seja utilizado como uma plataforma tecnológica para implementar as diversas versões das demais empresas nacionais, garantindo que não quer, com isso, ver nenhuma empresa dependente da Cobra: “ a nossa proposta sempre foi passar o SOX para um consórcio de empresas e estamos tentando fazer isso novamente agora, com a privatização: o SOX ficaria sob a responsabilidade da Abicomp”.

 

 

A Cobra e o Inpe investem no sistema de mensagens. Informática Hoje. Ano 4. No 170. 14 de novembro de 1988.

 

  • Desenvolvido pelo Inpe para microcomputadores da família IBM-PC, o SITIM – sistema de tratamento de mensagens – poderá ser utilizado em ambiente de multiprocessamento de dados multiusuário e multitarefa do SOX.

  • Com a evolução do SITIM para o sistema SOX – Unix-like desenvolvido pela Cobra – o Inpe continuará a evolução do sistema, com maiores recursos computacionais proporcionados pelo SOX.

  • de outro lado, o convênio fará com que o SOX e os supermicros da linha X da Cobra, passem a dispor de recursos gráficos avançados.

 

 

A Abicomp propõe um consórcio para assumir a Cobra. Informática Hoje. Ano 4. No 172. 28 de novembro de 1988.

 

 

( a sugestão é que um grupo de 12 empresas associadas assuma uma parte da Cobra, contando com aporte inicial do governo.)

 

  • A proposta da Abicomp para solucionar o problema da Cobra está pronta e deverá ser entregue no início da semana ao Conselho de desestatização.

  • um grupo de associadas está disposto a assumir uma parte da Cobra – aquela responsável pelo desenvolvimento do SOX – pela qual poderá pagar US$ 1 milhão.

  • Até um nome para a nova empresas está sugerido no documento: SOX S.A.

  • Nove empresas já se mostraram interessadas em fazer parte do grupo de acionistas: Elebra, Sistema Compart, Digirede, SID, Multidigit, TDA, Itautec e Labo.

  • A formalização da proposta de que a Cobra seja dividida e que um grupo de empresas assuma o controle de sua estrutura de desenvolvimento, incluindo o corpo técnico, partiu da convicção dos associados, manifestada numa moção, de que os esforços empregados até agora no desenvolvimento do SOX são de elevada importância estratégica para a política nacional de informática. “ A continuidade do desenvolvimento do SOX é tarefa que exige altos investimentos – constituindo-se, no Brasil, em um empreendimento quase impossível para uma única empresa”.

  • As associadas entendem que , com essa solução, “a Cobra será aliviada dos encargos de suportar esse projeto e terá o seu processo de privatização facilitado.” Mas , deixam claro, também., que “caso não seja adotada uma solução para o SOX, desvinculada do processo de privatização, as empresas têm certeza de que uma das primeiras providências do novo controlador seria a desativação desse projeto e a consequente dispersão da equipe”.

  • a proposta da Abicomp “....” : “que a empresa tenha como único objetivo o desenvolvimento e a comercialização do SOX.”

 

 

Unix – o rompimento final. Informática Hoje. Ano 4. No 174. 12 de dezembro de 1988.

(A Open Software Foundation e a Unix International não chegaram a um acordo sobre um padrão único. Agora cada uma vai tentar impor o seu próprio padrão: o AIX , da IBM, e o System V, da AT&T.)

 

  • em carta aberta aos membros da OSF, seu presidente, Henry Crouse, informa que o obstáculo principal à união entre a AT&T e a OSF foi a insistência da AT&T em impor o Unix V como base do ambiente operacional do grupo.

  • As consequências deste rompimento formal entre as organizações logo se fará sentir.

  • Donald Herman, recém-designado chairman da Unix International, admitiu:

  • “ A única coisa que posso lhes dizer é que hoje existem 1 milhão de usuários do Unix que acreditam estar utilizando um sistema operacional aceito como um padrão no setor.”

 

 

A Cobra, no ar. Informática Hoje. Ano 4. No 175. 19 de dezembro de 1988.

 

  • Depois de quase um ano de conversas, as incertezas continua rondando o processo de privatização da Cobra.

  • A sugestão mais definida para a solução do problema partiu da Abicomp, que propôs a formação de um consórcio de empresas interessadas na aquisição de uma das partes em que pode ser dividida a Cobra – aquela responsável pelo desenvolvimento do Sistema operacional SOX – pela qual poderia pagar US$ 1 milhão.

  • se evitaria que os esforços e investimentos empregados até agora no desenvolvimento do SOX, considerado de elevada importância estratégica para a política nacional de informática, fossem desperdiçados.

  • a demonstração da importância do SOX para a indústria nacional já havia sido dada em outubro, quando a Scopus e a Cobra decidiram unir-se e investir 300 mil no desenvolvimento conjunto de uma nova versão do sistema , para equipamentos baseados no microprocessador 80386.

Comments (0)

You don't have permission to comment on this page.