| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • Stop wasting time looking for files and revisions. Connect your Gmail, DriveDropbox, and Slack accounts and in less than 2 minutes, Dokkio will automatically organize all your file attachments. Learn more and claim your free account.

View
 

Uma entrevista especial

Page history last edited by Marcia Cardoso 11 years, 7 months ago

  Este é o início do projeto SOX como construção sociotécnica.

O primeiro trabalho será para a cadeira de Fatos e Artefatos e estará baseado no Livro de Bruno Latour.

 

Qualquer contribuição será bem acolhida.

 

Entrevistas com Luis Ferreira -

   1) Realizada por telefone em 23/04/2007, após contato inicial via correio eletrônico.

       Após a transcrição para esta página de algumas perguntas/ respostas, o prof. Luis atualizou e corrigiu (marcados com <LX> ) os textos durante o período abril/maio de 2007.

 

 Perguntas Iniciais:

 

 

1 - Qual o propósito de se construir o SOX?

 Era um idéia de construir um sistema operacional portável - com portabilidade. A questão era portabilidade para diminuir o custo de desenvolvimento. E havia a idéia de máquina virtual.

 

2 - Como surgiram as primeiras iniciativas desta construção? Como foi a idéia da concepção?

Existia a tese em andamento do Luis Ferreira, orientada na Coppe (Sueli Mendes) e co-orientada por Firmo Freire - de um sistema portável; o objetivo era sistema em tempo real. Em nenhum momento foi pensado em interface Unix. A motivação foi técnica.

O SOD, sistema operacional existente na Cobra, para reprograma-lo a cada novo hardware, seria caro. Era escrito em assembler e sua manutenção era cara(?).

O Luis Ferreira estagiou na IBM e se interessava muito pelo assunto Máquina Virtual.

A pergunta era: Como fazer um sistema portável? Para ele, havia duas opções para o Mestrado: um monitor para o SOD ou definir um sistema portável . A segunda opção foi a escolhida (Cobra não aceitou a primeira opção)

Não há um pai. Este é o sonho de muitas pessoas.

No primeiro momento o SOx nao era Unix-like. Existia um desenvolvimento de hardware, de software e uma interface entre software e hardware.

Era para ser desenvolvido com system calls. Ia ser escrito em LPS ( influência? de Eduardo Lessa, gerente do desenvolvimento de software e um dos criadores do SOM).

o Professor Newton Faller treinou a alguns tecnicos da Cobra em Unix. Ele ensinou o início.

 

 

 

2.1 - O projeto começou em 83? 84? 86? Qual a data?

 

 

 

<LX>

1983 (?)- Eduardo Lessa (Gerente da divisao de sistemas na epoca) e Firmo Freire (responsavel e arquiteto do SOD) iniciaram estudos sobre alternativas futuras de substituicao do SOD.

1983/84 (?) - Luis Ferreira apresenta para o corpo tecnico da Cobra a arquitetura de um sistema operacional portavel. A arquitetura e' adotada como base para o SOx. Firmo Freire era co-orientador da tese de Luis Ferreira.

</LX>

 

3 - E a existência do SOD e do SOM? O que seria deles?

Existem duas ramificações dos sistemas:

 

Do Patinho Feio , na USP , veio o G10 (PUC) e depois o Cobra 500 -> praticamente a mesma equipe. Nesta vertente de máquinas, foi construído o SOD .

 

Já o SOM é proveniente do grupo ligado ao Serpro - feito para 8080?

 

O SOD foi indispensável para o desenvolvimento do SOX. É a mesma equipe.

 

4 - Quais os primeiros integrantes?

 

4.1 - Como estavam divididos os grupos de desenvolvimento?

 

<LX>

Desenvolvimento do Kernel e Device Drivers @ DSO - Divisao de Sistemas Operacionais:

- gerente - Firmo Freire

- arquitetura SOx kernel - Luis Ferreira, Carlos Laufer, Mario Werneck, Arnaldo Macaciel, e Firmo Freire

- programacao SOx Kernel, maquina real - Luis Ferreira, Carlos Laufer, Manoel Ferreira Neto

- programacao SOx kernel, maquina virtual (PMV = processo da maquina virtual) - Mario Werneck, Arnaldo Macaciel, Rosa Maria Ladeira, Maitena, Luis Eduardo

- programacao Device Drivers - Luis Raimundo (LAN), Paulo Heitor, Leonardo Berstein, ...

 

Desenvolvimento de commandos (unix commands) @ DSO - Divisao de Sistemas Operacionais (commands):

- gerente - Firmo Freire

- sub-gerente - Serpa

- programacao commands - ...

 

Desenvolvimento rede (modelo ISO/OSI) @ DSS - Divisao de Software....

gerente - Arlindo

sub-gerente - Antonio Gadelha

- arquitetura - Antonio Gadelha (rede ARCO), Felisberto Vaz

- programacao kprocs (kernel processes = PMR = processo da maquina real) - Antonio Gadelha, Felisberto Vaz, ....

 

Desenvolvimento de linguagens (C, Cobol...) @ DSS - Divisao de Software....

gerente - Arlindo

sub-gerente - Antonio Gadelha

...

 

Muitos tecnicos da Cobra participaram do desenvolvolvimento do "escopo SOX" (= kernel, drivers, linguagens, bibliotecas, shell, comandos basicos) e tambem dos produtos portados para o SOX (banco de dados, utilitarios, bibliotecas adicionais, linguagens...). Acredito que a maioria faca parte da confraria do bit.

 

A seguir esta uma lista parcial de tecnicos que tambem trabalharam para/no SOx.

 

***Nao sei ao certo pois faz muito tempo, portanto e' necessario (re) verificar, pois algumas pessoas devem estar faltando nesta lista.

 

- Escreveram codigo (bibliotecas, drivers, linguagens,...) ou ajudaram na organizacao e gerencia de projetos, testes, conceituacoes. etc... - Fernando nasser, Miguel Angelo Novoa, Luis Barbabella, Cid Delgado, Luis Carlos Montes, Ana Vaz, Marcelo Carneiro,  Maria Alice,  Mauro barbosa, Menel, Paulo Werneck, , Rosana Lancelot, Renaud Leenhardt, Luis Fernando Zeibel, Lis..., Lacerda..., Rogerio..., Selene..., Serpa, Acir..., Davi Palatinik, Caio..., Frederico Novaes,  Myrian..., Pedro Paulo....

 

</LX> 

 

4.2 - Política:

Firmo Freire - interface entre o grupo técnico e o político.

 

4.3 - Universidades: As Universidades brasileiras aparentemente não utilizavam máquinas brasileiras.

O caminho entre a Cobra e as Universidades americanas era mais curto do que o caminho entre a Cobra e o Fundõa, por exemplo.

 

5 - No início houve alguma ligação com trabalhos acadêmicos?

 

<LX>

Title: Proposta de uma Arquitetura de um Sistema Operacional de Tempo Real

Author: Luiz Alberto de Almeida Ferreira

Defense: July 9, 1985

Advisors: Sueli M. dos Santos and Firmo Freire

</LX>

 

6 - E a tentativa de licenciamento do Unix?

Diversas tentativas. A revista Dados e Idéias dá mostra destas diversas tentativas (<MARCIA>minha intervenção nesta entrevista<MARCIA>).

 

7 - Qual era o projeto inicial? Era desenvolver o SOx já com a máquina virtual ou não? Era para ser utilizado em todas as máquinas ou não?

O projeto original - SOx - qual é o x? Começou com dois pedaços:

- máquina real - sinais, sincronismo ... escrito para o Motorola 68000 - em assembler e C

- máquina virtual - escrita em C

 

O sistema era para ser utilizado em qualquer máquina. No Cobra 500 havia a dificuldade do endereçamento de memória??

 

 

7.1 - Quais as dificuldades na implementação do código? Existiam programa padrão de testes? Quem o fez?

Não existiam programas de testes. O Luis fazia o testes diretos no monitor. Era print para a tela , mionitor ligado no bus da máquina. Primeira vez que ele conseguiu despachar um processo com um "Return". O Firmo disse "brincando" que isto e' um "milagre".

 

7.2 - Ele era um projeto secreto?

Não era secreto.

 A mesma situação que criou a Cobra se encarregou de destruí-la. Abriu-se o mercado sem planejamento. Algumas empresas, embora recebessem recursos para desenvolvimento, tentavam licenciar produtos de fora. O mote era comentários sobre reinventar a roda. <LX>O Linus Torvalds so comecou com a "sua reinvencao da roda=Linux" apos 1988.  </LX>

As primeiras linhas do Windows se iniciaram depois do SOX.

A imprensa era contra. Odiava.

8 - O que era a placa SOX?

 A placa SOx era uma placa stand alone - processador motorola + memória + interface de bus

Era uma idéia de se colocar no bus do Cobra 500.

Tinha um problema com transferência de dados. Imagina DMA da placa interagindo com DMA da máquina (Cobra 500) . Tinha I/O lento.

9 - Como terminou? Foi posto em operação?

Definhou com problemas técnicos <LX> ???nao foram os problemas tecnicos que acabaram com o projeto!!! </LX>. Foi posto em operação - CEF, rede de farmácias em Minas? O pessoal da Cobra certamente tem a lista completa das instalacoes realizadas.

 

10 - Por que terminou?

Houve a abertura. O brasileiro é 8 0u 800. Ou é 100% nós, ou 100% dos outros. Poderíamos ter trabalhado juntos. Com o Sox. Mas nós não sabemos fazer parcerias, nem parcerias entre pares. Esta é a nossa maior dificuldade: fazer parcerias.

Mas as pessoas da equipe estão fazendo coisas diferentes em lugares diferentes.

 

PERGUNTAS DE 26/04/2007:

 

MC: Vi o manuscrito sobre a descrição. São documentos raros e valiosos. Pergunta 1: Este manuscrito foi uma descrição inicial ou foi utilizado na implementação?

 

LX: Sao especificacoes detalhadas "on-the-fly", usadas durante as definicoes, algumas antes outras durante a escrita do codigo. Portanto, sao especificacoes iniciais que muitas vezes se consolidaram e se tornaram parte efetiva da especificacao oficial do produto. A especificacao final  oficial eu nao as tenho. As especificacoes de toda arquitetura e todos os seus componentes foram formatadas nos padroes IEEE de documentacao tecnica. Muitos textos sobre o kernel e arquitetura que escrevemos (LX e CL) foram transcritos para estes documentos. Outras especificacoes, como: C compiler, Cobol Compiler, Shell, ....., foram escritos pelas pessoas responsaveis por cada produto. Exemplo: acredito que o Acyr escreveu a especificacao do C Compiler; Felis e Gadelha escreveram a especificacao dos componentes de rede, etc...

 

MC:Pergunta 2: Você apresentou os slides com a arquitetura. Sua tese já estava pronta? A partir da apresentação, como foi o caminho para o inicio da construção do S.O.?

 

LX: O escopo da tese, e definicoes da arquitetura (kernel, arquitetura de maquinas virtual, processo da maquina virtual, interfaces e chamadas para o sistema proposto etc..) ja estavam prontas antes da apresentacao inicial aos tecnicos da Cobra. Para a Cobra, partes da arquitetura foram expandidas para poder implementar os device driver de rede. A arquitetura definida na tese nao suportaria os 7 niveis do OSI/ISO, portanto foi necessario criar os kprocs (processos de kernel i.e PMR - processos da maquina real). Veja, na tese definiu-se o escopo basico da arquitetura do kernel, processos e interfaces. A tese nao e' a definicao do SOX. A tese foi teorica, sem implementacao de codigo. O escopo global SOX e' muito maior, incluindo compiladores, APIs UNIX System V, Shell, bibliotecas, varios device drivers, alem da implementacao do codigo. 

Comments (0)

You don't have permission to comment on this page.